Consultores mostram risco de a União não cumprir a meta fiscal

Consultores mostram risco de a União não cumprir a meta fiscal

A Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado Federal e a Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados divulgaram a pesquisa Monitor Fiscal, que mostra que a União registra déficit primário de R$ 36,1 bilhões até maio de 2017 e corre risco de descumprir a meta anual.

Além disso, no governo central, que abrange Governo Federal, o Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS e Banco Central e exclui as estatais, as projeções apontam para um déficit de R$ 142,1 bilhões em 2017, ou seja, haveria um descumprimento da meta de déficit de R$ 138,8 bilhões, anunciada pelo Poder Executivo. “Cabe reiterar que 2017 representa o primeiro ano de vigência do Novo Regime Fiscal, o qual limita por 20 anos os gastos primários da União. Embora a medida contribua para o esforço de contenção de despesas, persiste o risco de descumprimento de metas de resultado primário em 2017”, afirma o documento.

Em relação aos resultados fiscais do governo central, o Monitor mostra que o resultado até maio de 2017 foi deficitário em R$ 179,9 bilhões. Em 2016, havia sido de R$ 133,7 bilhões no mesmo período. Ainda, a receita primária líquida apresentou queda real de 3,3% de janeiro a maio de 2017, relativamente ao mesmo período de 2016. A despesa primária teve uma redução de 1,1%. A redução da despesa, de acordo com o documento, deve-se à diminuição das despesas discricionárias do Executivo em R$ 19,1 bilhões.

Contenção dos gastos públicos

O Monitor traz ainda informações de que a dívida bruta do governo cresceu 1,2% em relação ao fim de abril de 2017 e alcançou 72,5% do Produto Interno Bruto – PIB – R$ 4,6 trilhões. De acordo com o documento, a dívida mobiliária do Tesouro Nacional e as operações compromissadas do Banco Central são os grandes componentes da dívida bruta do governo.

Conforme o advogado Jaques Reolon, o Governo Federal tem anunciado uma série de medidas para tentar conter o avanço dos gastos públicos e retomar o crescimento da economia brasileira. O primeiro pacote da equipe econômica previu a devolução de pelo menos R$ 100 bilhões em dívida que o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES deve ao Tesouro Nacional, além da limitação dos gastos públicos.

“A expectativa de retomada da arrecadação, prevista pelo Governo em 2015, foi frustrada. A modificação da meta fiscal foi a forma encontrada para evitar um colapso na economia e, dessa forma, conseguir utilizar os recursos que, até o momento, estão contingenciados”, ressalta Jaques Reolon.

Post anterior
GDF anuncia quatro espaços que estão próximos de PPPs
Próximo post
STF analisa ADI sobre aplicação do teto remuneratório em estatais

Related Posts

Nenhum resultado encontrado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu